sexta-feira, 11 de março de 2011

Teste de Unidades Ópticas

Como testar sua unidade óptica e ter certeza de que está havendo a emissão Laser? E o comportamento desta emissão? Baixo? Normal? Instável? Bem, estas são algumas das questões mais frequentes formuladas por estudantes e técnicos. Em vista disso, esse será o nosso assunto desta aula.
É do conhecimento de muitos técnicos a existência dos medidores de canhões de infravermelho, conhecidos pelo nome de LMB (Laser Meter Beam). Estes equipamentos são capazes de verificar, através da emissão do feixe Laser, a potência, estabilidade e, em alguns modelos mais sofisticados, até mesmo a freqüência de operação da junção semicondutora (cristal semicondutor). Para isto, basta aproximarmos o sensor captador a alguns poucos centímetros da lente objetiva do conjunto óptico. O problema é que este importante instrumento ainda apresenta um custo elevado para a maioria dos profissionais do mercado de serviços técnicos.
Mas, com um pouco de criatividade e bom senso, podemos construir um dispositivo bastante simples, que poderá ajudar em alguns testes básicos. Quero deixar claro que, em hipótese alguma, o dispositivo aqui descrito se propõe a substituir o medidor LMB; trata-se de um recurso paliativo, que pode vir a tornar-se uma eficiente ferramenta para testes rápidos em laboratório de manutenção.
Na Figura 11 nós apresentamos o esquema do nosso medidor laser caseiro.



Figura 11: Medidor laser caseiro.

O circuito é bastante simples. Sugiro que a montagem seja feita junto a uma haste que possibilite a aproximação do sensor foto-acoplador com a lente da unidade óptica. O componente de maior dificuldade para os menos experientes talvez seja o próprio foto-acoplador. Portanto, aqui vai a dica. Qualquer sucata de videocassete possui em seu conjunto mecânico sensores desse tipo. Os sensores de controle remoto também servem para essa função. Quem sabe aquele amigo da loja de eletrônica mais próxima tenha alguma dessas "abençoadas" sucatas?
O funcionamento deste circuito resume-se no chaveamento feito pelo foto-acoplador, no momento em que sua base recebe um feixe de luz infravermelha da unidade laser. Com isso, a corrente circulará pelo semicondutor e nosso LED monitor acenderá, indicando que há emissão do feixe de luz.
Podemos tirar mais algumas informações deste teste: se o LED de nosso instrumento acender com pouca intensidade, poderá estar indicando que a unidade óptica está com baixa emissão, e se ele acender fortemente e em seguida sua luminosidade variar, poderá ser um indício de que ocorre uma instabilidade de potência. Com tempo e experiência, podemos transformar esta simples ferramenta em um prático indicador de teste, aliado, é claro, à criatividade e às experimentações de cada profissional.
Na Figura 12 mostramos o esquema detalhado do circuito da Figura 11.



Figura 12: Uso do medidor laser caseiro.

Alguns cuidados:
1. Mantenha os olhos afastados a uma distância mínima de 20 a 30 cm da lente objetiva.
2. Mantenha o circuito do testador (parte do foto-acoplador) a uma distância de 5 cm da lente da unidade óptica. Isto evitará erros por excesso de distância entre medidor e unidade.
3. Nem sempre os problemas de baixa emissão ou instabilidades do laser estão associados exclusivamente ao conjunto óptico. Verifique também a fonte do equipamento e o circuito APC. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário